BRASIL

“O Cunha disse que não votaria o impeachment por considerar uma afronta à democracia”, lembra Mariana Godoy



Nesta terça-feira (12), Mariana Godoy participou do “Tudo Posso”, da Rede Família, e falou sobre os mais de vinte anos que foi contratada da Globo. Desde 2015, ela está à frente do “Mariana Godoy Entrevista”, na RedeTV!, onde realiza entrevistas com foco em política, economia e cultura.

Godoy relembrou sua passagem pelo Grupo Globo, onde apresentou o “Jornal Hoje”, “Bom Dia São Paulo”, “SPTV” e o “Jornal das Dez”, e comentou sobre a repercussão que suas entrevistas têm alcançado no meio político e na imprensa especializada – ela já conversou com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, o deputado estadual Marco Feliciano, a jornalista Miriam Dutra, ex-amante de FHC, entre outros.

No bate-papo, a apresentadora falou sobre os casos de corrupção que assolam o país e que percebe, sim, quando o entrevistado está mentindo, mas que deixa o julgamento para o telespectador.

Ela relembrou também uma das afirmações de Eduardo Cunha em seu programa, de que não apoiaria o impeachment da presidente Dilma Rousseff por considerar “uma afronta à democracia”: “Não podemos usar o processo de impeachment como recurso eleitoral”, afirmou o presidente da Câmara na época.

Mariana cobrou, mais uma vez, uma entrevista com Dilma. A próxima edição do programa, aliás, poderá ser exibida diretamente do Congresso Nacional, onde está sendo preparado um estúdio especial para debater os resultados da votação de impeachment da petista.

No próximo dia 8 de maio o “Mariana Godoy Entrevista” comemorará um ano no ar. A jornalista espera entrevistar o Papa Francisco e o presidente dos EUA, Barack Obama.

Autor: Redação Ferreguion

Tecnologia do Blogger.